quarta-feira, 28 de outubro de 2015

OCITOCINA - A verdadeira droga do amor.

Se fosse possível fazer uma droga do amor, a ocitocina seria sem dúvida o principal ingrediente. A ocitocina é um hormônio produzido principalmente pelo hipotálamo (uma região do cérebro do tamanho de uma amêndoa localizada perto do tronco cerebral, que liga o sistema nervoso ao sistema endócrino através da glândula pituitária). A ocitocina é liberada diretamente no sangue através da glândula pituitária, ou para outras partes do cérebro e da medula espinhal. Embora provavelmente mais conhecida por seu papel no parto e amamentação, a pesquisa mostrou que a ocitocina pode ter muitos efeitos de longo alcance para homens e mulheres em muitas áreas de suas vidas, particularmente quando se trata de relacionamentos e envolvimento emocional. 


Se voltarmos ao parto por um momento, podemos ver o quão poderoso podem ser os efeitos da ocitocina. Ocitocina desempenha um papel vital no desencadeamento e regulação das contrações uterinas. De fato, se as contrações não são fortes o suficiente para completar um parto, a mãe provavelmente será dada a ocitocina para ajudá-la ao longo do trabalho. 

Durante o terceiro estágio do trabalho de parto, a ocitocina ajuda a garantir que a placenta e as membranas sejam entregues. Obstetras, muitas vezes, injetam na mãe ocitocina sintética após o nascimento do bebê para acelerar a entrega da placenta.

Após o nascimento, os níveis de ocitocina são muitas vezes ainda maior. Isso ajuda a proteger a mãe, porque a ocitocina faz com que o útero se contraia para parar a hemorragia.

Mas este não é o fim do envolvimento da ocitocina com o parto. A ocitocina é às vezes chamada de "hormônio de ligação". Para a sobrevivência dos mamíferos é fundamental que a mãe comece a nutrir e passar para os seus filhos imediatamente após o nascimento e os estudos revelaram que a ocitocina parece ser responsável por essa reação. É claro que para muitos bebês humanos o estabelecimento de uma ligação tão imediatamente após o nascimento não é uma questão de sobrevivência, mas os efeitos da ocitocina no cérebro ainda desempenha um papel importante no estabelecimento comportamento materno e o vínculo entre mãe e bebê. Você só tem que olhar para a mãe com seu bebê para ver o quão poderoso os efeitos da ocitocina podem ser, uma vez que ajuda a gerar o vínculo mais profundo e surpreendente. 

A ocitocina também desempenha um papel crucial na amamentação, pois faz com que ocorra a "descida reflexo" permitindo que o leite flua e permitindo uma mãe para alimentar seu bebê. A ocitocina também desempenha o seu papel no ciclo menstrual de uma mulher como ela é responsável pela contrações uterinas que acompanham a menstruação e causar a expulsão do conteúdo uterino. 

A verdadeira emoção em torno de ocitocina e seus efeitos para além do parto, lactação e da menstruação começou na década de 1990. Pesquisas posteriores revelaram que a ocitocina tem muitas outras funções e não apenas confinado à alimentação parto e de mama. 

De fato, devido ao seu papel no parto e lactação, foi erroneamente assumido no início que a ocitocina era um "hormônio feminino". Sabe-se agora que não só é presente no sexo masculino, mas que também é importante para eles também. Por exemplo, novos pais também experimentam uma onda de sentimentos para com seu novo bebê e, assim como com as mães, a ocitocina ajuda a forjar esse vínculo e obter todas as informações importantes dessa devoção para com os seus descendentes. A ocitocina é também a razão pela qual formamos todos os tipos de conexões profundas não só com nossos filhos, mas com os nossos parceiros, amigos e até mesmo os nossos animais de estimação. 

A ocitocina também pode ser responsável por transformar experiências potencialmente estressantes em oportunidades para expressar amor e alegria. Mais uma vez, olhar para o parto. Para muitas mulheres, o parto é uma experiência incrivelmente estressante que poderia facilmente dar origem a distúrbios de estresse pós-traumático, mas a ocitocina parece desempenhar um papel em ajudar uma nova mãe a gerenciar ambas as respostas emocionais e fisiológicas ela a uma experiência estressante e impedir Depressão pós parto. Acredita-se que é a ocitocina, que desempenha um grande papel em ajudar a gerar esses sentimentos. A ocitocina também ajuda a reprimir as lembranças da dor do parto tornando mais provável que uma mulher vai passar por tudo de novo e ter mais filhos. 

Pesquisa também revelou que a ocitocina desempenha um grande papel nos aspectos não-procriativa de sexo. Homens e mulheres liberam a ocitocina durante o ato sexual - mas não só é a ocitocina liberada durante o orgasmo, ela parece ser responsável por causar orgasmos em primeiro lugar. 

Às vezes chamado de "hormônio do aconchego", a ocitocina é liberada em resposta a uma variedade de estímulos ambientais, incluindo a pele-a-pele e estimulação cervical experientes durante o sexo. Em níveis normais ocitocina estimula um desejo leve a ser beijada e abraçada por seu amante. Mas sendo tocada (em qualquer parte do corpo) leva a um aumento nos níveis de ocitocina. Isso provoca uma cascata de reações dentro do corpo, incluindo a liberação de endorfinas e testosterona, o que resulta na excitação biológicas e psicológicas. Os nervos em zonas erógenas, tais como os lóbulos das orelhas, pescoço e genitais tornam-se sensibilizados pelos efeitos da ocitocina. Ela promove uma ligação de proximidade, intimidade e desejo que aumenta a receptividade sexual e o desejo de ser tocado provoca ainda mais a ocitocina para ser liberada e assim desejo e excitação são aumentados ainda mais. Simplificando, a ocitocina adora as preliminares.

Mas não é só nas preliminares do amor que a ocitocina atua, ela também desencadeia orgasmos poderosos. A pesquisa indica que a ocitocina faz com que os nervos nos órgãos genitais peguem fogo de forma espontânea, e isso leva ao orgasmo. Durante o orgasmo, os níveis de ocitocina masculino quintuplica, mas isto não é nada em comparação com os níveis de ocitocina feminino. Mulheres precisam de mais ocitocina, se quiserem chegar a um orgasmo e durante o pico da excitação sexual, os níveis de ocitocina chegam a níveis estratosféricos. Se este ponto for alcançado e o cérebro da mulher é inundado com ocitocina, ela pode certamente ser capaz de atingir orgasmos múltiplos. 

E a boa notícia não para por aí - a ocitocina pode oferecer benefícios de saúde real. Ocitocina ajuda a regular os padrões de sono, acalmá-lo e contribui para uma sensação geral de bem-estar. É também a razão pela qual, por exemplo, as pessoas com animais tendem a se recuperar mais rapidamente da doença, por que as pessoas casadas tendem a viver mais e por grupos de apoio para beneficiar as pessoas com câncer. Embora ainda não totalmente compreendidas, acredita-se que a chave para os benefícios da ocitocina a saúde residem na sua capacidade de combater o stress e os efeitos do hormônio do estresse cortisol. Quase todas as doenças tem sua condição agravada pelo estresse - aliviar o stress inevitavelmente cura. 

Dada a sua capacidade de gerar profundas conexões emocionais, e sua capacidade de combustão de sentimentos, intimidade e desejo sexual culminando em orgasmos poderosos, a ocitocina é realmente a coisa mais próxima de uma droga do amor.

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

A pomada de prevenção de assaduras que toda mãe quer ter.

E chega por aqui essa pomada maravilhosa e que todas as mães deveriam de ter para a prevenção de assaduras do filhote. A formulação enriquecida com vitaminas e aloe vera, forma uma fina camada e resistente película, que ajuda a prevenir as assaduras, ao mesmo tempo em que deixa a pele respirar. Possui uma textura ultraleve que facilita a aplicação e a remoção, deixando a pele do bebê super hidratada. #desitin #desitinbrasil #theInsidersbrasil #presskit #chegounoblog #instablogueira #instamae

Lenços umedecidos Pompom

People, o que falar dessas toalhas da @pompomfraldas? Textura suave, grossas, cheirinho agradável. Super aprovadas.

Relutei muito, muito mesmo, mas decidi aderir.

Decidi empreender e é aqui que vou iniciar meu novo projeto. 
Mãe, Consultora Materna, Blogueira, Microempresária.....
Mas antes de tudo, quero contar um pouco sobre mim.
Me chamo Camila, tenho 34 anos, paulista mãe da minha melhor metade chamada Lavínia, hoje com quase 9 meses.Optei (ou melhor) a vida optou por eu ser mãe independente. Fui casada com o pai da Lavínia por quase 3 anos, ao me separar continuamos amigos, morando juntos e foi ai que engravidei. Logo ele negou, dizendo que não era dele, eu sabendo e não tendo duvidas, não questionei, mas avisei que assim que pudesse , faríamos o DNA, e assim foi feito. Passei a gravidez sozinha, sem ao menos um telefonema, uma preocupação qualquer. Hoje mesmo após a confirmação da paternidade, ele não é presente, não quer ver, não quer participar do crescimento dela,não liga e não se preocupa. Sinceramente? Tenho pena dele, está perdendo o melhor e mais importante fase de uma criança. Minha filha é amada, cuidada, respeitada duplamente. O futuro só a Deus pertence.

Ski Montain Park - Adoramos

Localizado na Estância Turística de São Roque, a apenas 54 km da cidade de São Paulo, o Ski Mountain Park tem fácil acesso pelas Rodovias C...